quinta-feira, 4 de maio de 2017

POR QUE DEPENDER DA APROVAÇÃO DOS OUTROS É UMA FURADA

Quem vive para satisfazer desejos e vontades alheias acaba se condenando ao fracasso. Entenda como isso acontece

Você conhece alguém que nunca diz não para nada? Ou já conviveu com aquela pessoa que concorda com tudo e dificilmente impõe suas ideias? Ao contrário do que muitos pensam, quem normalmente age dessa forma nem sempre é apenas uma pessoa bondosa, mas alguém que tem dentro de si um medo exacerbado de não se sentir aceito pelos outros.

“O desejo de ser amado faz com que crianças e adultos busquem ser gentis e colaboradores para serem reconhecidos pelo outro. É claro que fazer parte de um grupo é fundamental para a sobrevivência. O problema surge quando esta busca é exagerada e acarreta sobrecarga e frustração”, explica a terapeuta cognitivo-comportamental Suse Camacho.

Quem com frequência muda de opinião para não contrariar as pessoas ou tem atitudes que não condizem com seu caráter para se sentir pertencente a um grupo precisa estar alerta. “Ao ter esse tipo de comportamento não se leva em consideração o próprio critério. Outras atitudes que caracterizam a insegurança de não se sentir aceito são emprestar dinheiro, roupas, eletrônicos, objetos pessoais, etc., se comprometer a fazer deslocamentos (transporte para algum local) em momentos inadequados e fora do seu alcance, realizar trabalhos físicos e/ou mentais para terceiros, sobrecarregando a si mesmo sem o devido reconhecimento, entre outros”, acrescenta a especialista.

Atitudes assim são perigosas porque tornam a pessoa submissa ao outro, gerando dependência emocional, perda da identidade e agravando o rebaixamento da autoestima.  “A pessoa acredita que ninguém a amará se mostrar o que realmente pensa.  É um desgaste físico e emocional não acreditar nas suas próprias ideias. Haverá sempre uma tensão e insegurança, muita ansiedade e estresse, que acarretam problemas de saúde e relacionamento”, explica a especialista.

Por Ana Carolina Cury / edição 1308 Folha Universal

Nenhum comentário:

Postar um comentário