quinta-feira, 6 de abril de 2017

CRESCE A REJEIÇÃO POPULAR A TEMER E AO GOLPE

O resultado da pesquisa CNI/Ibope divulgada em 31 de março é devastador para a imagem, já cambaleante, de Michel Temer: 79% dos brasileiros não confiam no mandatário ilegítimo, 73% rejeitam o modo como ele governa, e 55% avaliam seu governo como péssimo ou ruim.

A avaliação negativa, que em dezembro de 2016 já era péssima, aumenta a olhos vistos. Os números que a estatística revela dão maior expressão à realidade que se manifesta de forma crescente nas ruas e volta a animar o movimento popular em luta pela democracia, pela retomada do desenvolvimento, do emprego e da renda, e em defesa da soberania nacional.

Os brasileiros se dão conta, duramente, do caráter nocivo do golpe de 2016 e do governo impostor que nasceu dele. E agitam, nas ruas, sua indignação contra a ilegalidade que se espraia pelo país, compromete as instituições e elimina direitos duramente conquistados pelos brasileiros.

O efeito da avaliação popular crescentemente negativa já produz alguns resultados importantes. Aprofunda a divisão entre as próprias forças que haviam apoiado o golpe de 2016. No PMDB, por exemplo, o racha é visto no interior do partido: o senador Renan Calheiros comanda um movimento que bate de frente com Temer e passa claramente à oposição, sinalizando inclusive o apoio a uma eventual candidatura presidencial de Lula em 2018.

É um movimento importante que reflete entre as lideranças a mesma rejeição do governo golpista que se assiste no seio do povo.

As assim chamadas “reformas” (previdenciária e trabalhista) promovidas pelo governo golpista abriram os olhos mesmo de muitos trabalhadores que, faz um ano, incautamente, apoiaram o impeachment contra Dilma Rousseff.

Cai a máscara do governo nascido do golpe, que ameaça direitos históricos, age de forma desumana contra idosos, mulheres e trabalhadores rurais para beneficiar o sistema financeiro, os rentistas, aqueles que vivem dos juros escorchantes que abocanham do governo.

Com isso o governo ilegítimo provoca a reação do povo, e até entre aqueles que haviam apoiado o golpe em 2016.

Cresce, então,  o movimento que clama pela volta da democracia, da legalidade e da legitimidade que se manifestou com força em março, nas manifestações dos dias 8, 15 e 31, e que voltará às ruas com mais força, organização e determinação, na greve geral convocada por todas as centrais sindicais para o dia 28 de abril, com apoio do movimento social e dos partidos de esquerda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário