terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

TRUMP INSTALA O CAOS NA CASA BRANCA

Em seu vertiginoso primeiro mês, o presidente dos EUA polarizou a sociedade, dinamitou o legado de Obama e entrou em guerra com a imprensa e os serviços de inteligência.

O mensageiro de uma nova ordem mundial: ignorância, arrogância, despreparo, Trump representa o caos.

O tempo é algo relativo quando se trata de Donald Trump. Desde o último dia 20 de janeiro quando tomou posse, o presidente dos EUA começou uma agenda vertiginosa e destituiu uma procuradora-geral, fulminou seu conselheiro de Segurança Nacional, humilhou seus serviços de inteligência, ordenou construir um muro com o México, deixou o Acordo Transpacífico, entrou em colisão com Google, Apple e Facebook, enfureceu a União Europeia, defendeu Vladimir Putin, ofendeu os líderes de China, México e Austrália, proibiu a entrada de milhares de muçulmanos, entrou em choque com os tribunais, demonizou os meios de comunicação e transformou o grande símbolo do poder norte-americano, a Casa Branca, em um imenso caos.

Tudo isso em 31 dias. Pouco mais de 700 horas. Um tempo mínimo para qualquer governante, mas suficiente no seu caso para ativar os alarmes. Dentro e fora do país. “Nunca estive tão nervoso sobre o que poderia acontecer em Washington. Se surgir uma crise, não sei se poderão responder de forma racional”, alertou o democrata Leon Panetta, ex-secretário de Defesa e ex-diretor da CIA. “Nosso governo vive em uma confusão incrível e espero que não continuem assim porque somos uma nação em guerra”, sentenciou o respeitado general Tony Thomas, chefe do Comando de Operações Especiais.

O espetáculo foi inédito. Mas era esperado. Fiel a si mesmo, o presidente dos Estados Unidos não desceu da locomotiva em que se encontra a vida toda. Nem abandonou sua demagogia e seu amor pelo corpo a corpo. Mas por trás de sua aceleração permanente, também terminou ofuscado pela realidade. Especialmente na política externa. Seu ponto mais fraco. Descontando sua virulência com o México, no caso de Israel recuou em seu apoio irrestrito aos assentamentos ilegais, com a China abandonou seu flerte com Taiwan e com o Irã não denunciou o pacto nuclear que tanto censurou.

Mais beligerante, apesar de não ter tido tanto sucesso, foi como se mostrou nos assuntos domésticos. Nesse campo, as explosões foram contínuas. Mas sua ira caiu contra as resistências mais poderosas. O teste foi o veto migratório.

A selvagem restrição imposta a sete países de maioria muçulmana desencadeou uma onda vertiginosa de protestos. Enquanto os aeroportos foram ocupados por milhares de cidadãos, centenas de empresas se somaram à frente legal. A própria procuradora-geral interina se recusou a defender a ordem e os juízes, um após o outro, a rejeitaram até que um tribunal federal bloqueou a medida.

O tapa judicial em Trump, que já anunciou que esta semana irá apresentar uma outra ordem, mostrou a todos os limites de sua grandiloquência. E também sua habilidade inata para dividir uma sociedade já fraturada.

Trump ganhou a eleição com 2,8 milhões de votos a menos que Hillary Clinton, e as pesquisas mostram que não foi capaz de reverter este desequilíbrio. Ao contrário, a cada dia que passa aumentam os detratores. Sua desaprovação, de acordo com Public Policy Polling, aumentou de 44% para 53%. Nessa erosão intervém, infelizmente para Trump, tudo aquilo que ele gosta, especialmente seus colaboradores mais visíveis. O estrategista-chefe, Steve Bannon; a assessora estrela, Kellyanne Conway, e o porta-voz, Sean Spicer, com seus deslizes, aumentam a sensação de desgoverno que reina na Casa Branca.

A queda foi tão acentuada que até o líder da maioria republicana, o senador Mitch McConnell, pediu calma para Trump. “Mas o que ele diz, torna tudo mais difícil”, reconheceu. Suas palavras iluminam algo que é evidente para todos, exceto para o presidente: que a acumulação de inimigos e seus contínuos espasmos via Twitter podem se tornar tóxicos para os seus. “Trump vai continuar com a mesma intensidade enquanto não afetar os republicanos no Congresso. Mas quando isso acontecer, terá problemas”, diz o professor de História e Assuntos Públicos da Universidade de Princeton, Julian E. Zelizer.

Esse ponto de ruptura ainda não chegou. As críticas nas fileiras do seu partido continuam sendo minoria. Mas há sinais de que a explosão não está muito longe. Sua própria personalidade faz com que seja difícil abrandar. “Ele quer ser sempre o centro das atenções e dar a imagem de presidente ativo, então suspeito que vai continuar nesse ritmo”, diz Kyle Kondik, do Centro de Política da Universidade da Virgínia.

A crise por combustão espontânea é uma possibilidade. Apesar de não ser a única. No horizonte surgiu um incêndio maior que o próprio Trump. A conexão russa. As estranhas ligações entre membros de sua equipe com o Kremlin. O caso já fez uma vítima importante: o conselheiro de Segurança Nacional, Michael Flynn. Mas o escândalo está longe de terminar.

Os serviços de inteligência, golpeados pelo presidente e alarmados por sua amizade com Putin, já contra-atacaram. Das catacumbas começaram a questionar sua capacidade e começou um fluxo devastador de vazamentos. Sob esta tempestade, os meios de comunicação se lançaram à caça. E o presidente, irreprimível, declarou guerra a eles e os classificou como “inimigos do povo norte-americano”.

A luta agora é aberta. Trump está enfrentando a imprensa mais poderosa no mundo, os serviços secretos e uma classe média urbana cansada de seus desmandos. Somente o bom andamento da economia e uma base fiel podem salvá-lo. Mas ninguém sabe quanto tempo poderá durar. No horizonte aparece uma disputa feroz. Algo que não assusta o presidente. É um jogador de fôlego. Alguém que olha de frente e morde. Sem pestanejar. Como ele mesmo diz: “Se alguém o ataca, você contra-ataca dez vezes. Assim, pelo menos você se sente bem”. Esse é Trump.

Fonte: El País

Nenhum comentário:

Postar um comentário