segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

O QUE VOCÊ OUVE, LÊ E ASSISTE CONTRIBUI NA SUA FORMAÇÃO E INFLUENCIA NA SUA MANEIRA DE PENSAR E VER AS COISAS

Pode até parecer difícil “pescar” materiais de boa qualidade na mídia atual. E é mesmo. Na programação oferecida pela televisão, no conteúdo de revistas, livros, jornais, rádios, sites, blogs, videogames, portais, redes sociais e palestras, separar o joio do trigo pode ser desanimador.

Quem se propõe a isso não se arrepende e sai na frente com uma vantagem: absorve informações edificantes, que ajudam a construir e a manter sua estrutura psicológica, física, intelectual e também aquela que mantém tudo isso junto de pé e em boa forma: a espiritual.

Várias vezes já fizeram a seguinte comparação: se “você é o que você come” fisicamente falando, o mesmo acontece com o conteúdo midiático que você “põe para dentro” de sua mente e de seu espírito. Assim como se alimentar corretamente provê ao corpo o necessário para que ele produza energia, fortaleça sua resistência a doenças e melhore até sua aparência, isso tudo também acontece com a mente, a alma e o espírito de acordo com o que você absorve de textos, fotos, desenhos, filmes, música e tudo mais que existe no espectro cultural, didático e artístico. Isso para quem consome essas coisas, claro.

Portanto, não espere ser uma pessoa bem informada – e bem formada – se você só consume blogs de fofocas, filminhos vazios, música de péssimo gosto, programas de TV que apelam para a baixaria ou o sensacionalismo, pornografia ou qualquer coisa do tipo.

Há uma diferença entre uma mente pensante que seleciona o que aprecia e uma cabeça passiva que funciona praticamente como uma lata de lixo – o que ocorre quando você aceita qualquer porcaria que joguem nela, sem questionar. Adivinhe qual das duas rapidinhas cheira a podridão?

Por Débora Vieira e Marcelo Rangel/edição 1296 Folha Universal

Nenhum comentário:

Postar um comentário