segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

CAICÓ: SEM INTERESSE EM PAGAR SALÁRIOS ATRASADOS, PREFEITURA ENSAIA CALOTE EM SERVIDORES

Usando de má fé e de argumentos nada convincentes, prefeitura ignora mesa de negociação e não dá garantias de que vai pagar salários atrasados, comportamento da Gestão iniciante é de quem quer dá calote em servidores

Existe uma distância enorme nas relações de poder recém-estabelecidas entre o prefeito de Caicó, sua equipe de governo e os servidores municipais quando o assunto é o pagamento dos salários atrasados de 2016 deixados pela gestão anterior. Ignorando que esta é uma dívida do erário municipal e que precisa ser sanada, a gestão Batata manipula a opinião pública com falsas afirmações sobre a forma como vem tentando impor as negociações que visam pagar o que se deve a quem já trabalhou e ainda não recebeu.

Há uma contradição no discurso publicitário-midiático do prefeito Batata ao anunciar que pagará no próximo dia 31 os salários de janeiro aos servidores, justificando para isso que “apesar da crise financeira sua gestão está priorizando o salário daqueles que passam o mês inteiro se dedicando ao município”... Ora, se é esta a visão que o prefeito Batata tem do funcionalismo municipal, por que então o seu secretário de finanças tem dificultado tanto as negociações para uma solução consensual de se pagar os salários atrasados ao funcionalismo? Ou será que na compreensão do prefeito e secretário, durante o mês de dezembro os servidores não se dedicaram o suficiente para merecer os mesmos créditos e ter este salário pago, tanto quanto o mesmo se empenha para pagar em dia os salários na sua gestão?

A verdade não anunciada dos fatos é que o secretário de finanças com o aval do prefeito quer ganhar tempo, aproveitando-se do fato de que muitos servidores estão confusos com a forma como o assunto vem sendo tratado e veiculado, e não conseguem perceber os reais motivos da prefeitura obstaculizar as negociações sem apresentar ou acatar uma proposta viável, respeitosa e coerente, coisa que os sindicatos envolvidos nas negociações passadas já apresentaram por várias vezes, mas foram ignorados.

O secretário de finanças e o procurador do município, numa atitude de pouca maturidade diante as relações de conflitos de interesses comuns numa gestão pública, preferiram, inconsequentemente, comprar uma queda de braço com os sindicatos, promover o jogo da intimidação e da distorção dos fatos, querendo com isso, se impor ou mostrar quem “manda”, achando que estão prestando um grande serviço ao município e ao seu prefeito. Nada a se estranhar, há sempre uma mosca azul sobrevoando os gabinetes daqueles que buscam holofotes para se promover diante o poder a quem estão servindo.

Estes são os fatos, somente uma atitude contrária é que poderá afirmar de que não vem calote por ai.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário