segunda-feira, 1 de agosto de 2016

DESPREPARO DO GOVERNO TEMER REVELA FALTA DE PROJETO PARA A CULTURA

Desde que assumiu a Presidência da República, ações do governo Temer apontam que não há um plano para a área cultural do país. Tanto que sua primeira medida foi anunciar a extinção do Ministério da Cultura. Após uma grande pressão de artistas e produtores culturais, no movimento Ocupa MinC em todo o Brasil, Temer volta atrás no fim do ministério, mas não no projeto de desmonte da instituição.

   Por Eliz Brandão

O mais recente capítulo desta história aconteceu na semana passada com a publicação no Diário Oficial da União da exoneração de 81 funcionários do Ministério. Isso aconteceu, um dia depois da ofensiva da Política Federal na retirada de ativistas culturais que protestavam contra medidas de retrocesso de Temer e ocupavam há mais de 70 dias a sede do MinC no Rio.

Choveram protestos de especialistas do setor contra as exonerações - e contra as justificativas do governo Temer que disseram tratar de um desaparelhamento da instituição -, entre eles, do ex-ministro da Cultura, Juca Ferreira que criticou o governo interino.

Segundo Juca, Temer não conseguiu extinguir o MinC e o seu ministro inventou um meio de justificar as demissões dizendo que os exonerados eram quadros políticos, “mas é mentira e mentira tem perna curta”, assinalou Juca. “Calero está querendo bancar o sabido, justificando suas arbitrariedades e incompetências com essa história de aparelhamento. Mentira. O MinC não foi aparelhado”, retrocou.

Especialistas culturais explicaram que os quadros de funcionários do MinC exonerados eram os mais competentes, “os melhores da área e não quadros políticos como dissera o atual ministro”.

O fato virou polêmica com direito a resposta de Calero que tentou justificar a exoneração em sua página oficial na rede social Facebook dizendo que os funcionários eram quadros “políticos” e que não se tratava de desmonte do MinC.

Entretanto, no sábado (30), admitindo que especialistas do setor estavam certos e o que acontece é apenas uma tentativa de desmonte do Ministério da Cultura, Marcelo Calero anuncia a decisão de chamar de volta cinco integrantes da equipe técnica que havia exonerado.

Governo ilegítimo

Rodrigo que acompanha de perto a área explicou a diferença das medidas de um governo eleito e de um governo golpista, que não foi eleito. Para ele, “quando um grupo político ganha uma eleição, tem a legitimidade de conduzir para os seus cargos de confiança pessoas que ajudaram a construir a política com ele. Agora, quando você não é democraticamente eleito, quando não acessa o poder de forma democrática, até o preenchimento dos cargos de confiança é difícil”, constatou.

Pressões contra o retrocesso

Especialistas da cultura, artistas, produtores e fazedores da cultura no país acreditam que as pressões da opinião pública têm sido exitosas contra os retrocessos impostos pelo governo Temer à área cultural. Por isso, eles recomendam a manutenção dos protestos contra as medidas do governo. Segundo o jornalista Rodrigo Savazoni, “Se há um campo em que o silêncio não impera é dentro da cultura”, disse.


Do Portal Vermelho

Nenhum comentário:

Postar um comentário