sexta-feira, 27 de maio de 2016

ELEIÇÕES CAICÓ: JUDAS TADEU E O ESTEREÓTIPO DA MESMICE VIVALDISTA

Pré-candidato a prefeito de Caicó pela vontade soberana do seu criador Vivaldo Costa, o menino Judas Tadeu não consegue se desvencilhar da dependência e obediência cega ao seu padrinho, a quem tem exaltado e glorificado em todas as declarações dadas

A criatura e o criador: Como Cronos (o Titã da mitologia grega), Vivaldo sempre devorou seus próprios filhos políticos. É o medo do criador de ser superado pela criatura.

Vivaldo Costa tem tentado, mas cada vez que seus pré-candidatos abrem a boca para dá qualquer tipo de declaração quanto ao pleito eleitoral e as condições do seu sistema político para participar das batalhas municipais de 2016, mais fica evidente o confuso pensamento político que impera nesse grupo pseudocoronelizado que sobrevive por 50 anos em Caicó.

A sensação da vez no grupo político vivaldista é o estudante de medicina Judas Tadeu, que parece ter gostado da ideia do seu padrinho político para ser o candidato do sistema para disputar a cadeira hoje ocupada pelo antigo aliado, Roberto Germano (PMDB).

Tadeu que há um bom tempo não mora em Caicó, em virtude dos seus estudos no Rio de Janeiro, pode até vir a ser o candidato de Vivaldo, mas pelas primeiras declarações que tem dado demonstra total despreparo para tamanha responsabilidade, o menino, deslumbrado com a ideia e eternamente grato pelos mimos recebidos do seu padrinho, tem demonstrado mais preocupação em enaltecer o legado (questionável) do Papa Jerimum, pelos seus 50 anos de domínio na política local, do que apresentar algo consistente e convincente para prover o verdadeiro desenvolvimento que a cidade hoje implora, devido, exatamente, aos erros, omissões e práticas político-administrativas atrasadas promovidas pelos que agora alimentam a possibilidade da sua pré-candidatura.

Das poucas vezes em que falou de um provável projeto seu para governar Caicó, Judas Tadeu demonstra não conhecer a cidade em que nasceu, menos ainda seus reais problemas e suas causas (apesar de fazer parte do grupo responsável por parte do caos econômico, estrutural e social que a cidade hoje é vítima), prefere patinar nas desatualizadas fórmulas e pensamentos conservadores do seu velho guru, deixando claro que, uma vez eleito prefeito, terá em Vivaldo o exemplo de administração e práticas administrativas a seguir, condição esta que deixa evidente que o jovem rapaz não conseguirá, nem deseja, se desvencilhar do controle do seu mestre e será mais um marionete em suas mãos, situação que o deixa refém de uma prática corriqueira do próprio Vivaldo que, historicamente, como Cronos (o titã da mitologia grega) devorou todos os filhos que elegeu, sagrando o quanto pôde as administrações dos seus apadrinhados; foi assim com Irami, Dada Costa, Silvio Santos e Nilson Dias, que hoje amargam ostracismo político pela subserviência natural imposta pelos interesses de poder do coronel do Trapiá.

Mas a mosca azul já picou ao menino Judas Tadeu, ele embarcou nos delírios políticos do seu mentor eleitoral e, certamente acredita que, governar uma cidade complexa como Caicó utilizando as velhas e desgastadas práticas do passado político clientelista, conservador, subserviente e assistencialista, é o melhor caminho para se tornar a liderança que ele, sob o manto predador de Vivaldo, nunca será permitido ser.

Quem viver verá!

Nenhum comentário:

Postar um comentário