segunda-feira, 2 de maio de 2016

A RECOMPENSA DA VERDADE

Há perdas óbvias para quem mente, claro. E quem não é adepto da mentira, por sua vez, tem muito a ganhar. Uma pessoa confiável, quando acontece algo sério em que sua reputação seja questionada, pelo menos tem o benefício da dúvida.

Mas há outro ganho para quem prefere a verdade. Uma pesquisa publicada pela Associação Americana de Psicologia (APA, na sigla em inglês) revelou que quem mente menos – ou nada – apresenta saúde mental e física superior à dos mentirosos de plantão. O estudo, realizado pela equipe liderada pela psicóloga Anita Kelly, da Universidade de Notre Dame, de Indiana, nos Estados Unidos, submeteu os participantes a voluntariamente diminuírem radicalmente suas mentiras (o que era comprovado com a ajuda de polígrafos (aparelhos popularmente conhecidos como “detectores de mentiras”), enquanto sua saúde era monitorada.

Resultado
Enquanto o pessoal da lorota não teve mudanças para melhor no corpo e na mente – e algumas pessoas tiveram para pior, como melancolia, depressão e dores de cabeça –, quem realmente diminuiu ou excluiu a mentira da rotina apresentou um quadro bastante favorável de bem-estar físico e ausência – ou diminuição – dos problemas citados. E qual foi o ganho na saúde mental dos não mentirosos? Dados bem sólidos do estudo da Notre Dame mostram resultados positivos como melhora nas suas relações interpessoais e interações sociais com mais qualidade. Consciência tranquila faz bem à saúde. Literalmente.

Isso aconteceu porque, segundo os estudiosos de Indiana, uma boa parcela das pessoas que lidam conosco percebe, ainda que inconscientemente, quando usamos mentiras como desculpas ou buscamos manipulá-las e tende a se proteger, erguendo barreiras, ainda que sutis, ao contato. Já quando elas percebem que o interlocutor prefere mostrar os resultados reais de suas ações tendem a se aproximar mais, com ligações mais intensas e positivas e até a perdoar eventuais falhas.

Dá para usarmos aqui, embora com um contexto diferente, algo que alguém mais importante e sábio que cientistas disse há cerca de dois milênios. Jesus Cristo proferiu uma frase célebre (em João 8.32) referente à veracidade de Ele ser O Messias em pessoa, o que muitos duvidavam. Mas podemos aproveitar Seus dizeres ao pé da letra para resumir tudo o que você leu até aqui, incluindo a experiência dos psicólogos norte-americanos: “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”. Dito e feito. Até a ciência comprova.

Por Marcelo Rangel / edição 1255 Folha Universal

Nenhum comentário:

Postar um comentário