segunda-feira, 4 de abril de 2016

CAICÓ: EM ATO POLÍTICO SINDICAL PROFESSORES MANTÊM INDICATIVO DE GREVE

EM LUTO DO VERBO LUTAR: PELA VALORIZAÇÃO DO MAGISTÉRIO E POR ESCOLA PÚBLICA DE QUALIDADE.

Nas ruas, professor@s municipais exigem direitos e protestam contra situação das escolas públicas

Se agenda de negociações com prefeitura não avançar, GREVE  será decretada com apoio de toda a educação municipal

Como já virou tradição, mais uma vez os professores e trabalhadores em educação de Caicó precisaram levar a sua prática para as ruas, dando mais uma aula de CIDADANIA a gestão pública dessa cidade. Retomando a luta histórica em pró da educação municipal, saímos às ruas no último 1º de abril, culturalmente intitulado de o "dia da mentira", para denunciar as mentiras que têm sido contadas todos os dias, nos veículos de comunicação, por parte da gestão desse município.

A gestão municipal MENTE quando se utiliza dos meios de comunicação para disseminar a falsa ideia de que tudo vai bem na educação de Caicó e ao tentar explicar o caos em que nos encontramos apenas apontando para os erros do passado, quando o próprio gestor também fez parte desse passado, uma vez que esteve anteriormente na gestão desse município no período de 2001 a 2004. É preciso ter mais respeito com a educação dos nossos munícipes e com os trabalhadores da educação (professores, Gestores, supervisores, técnicos, ASGs, Merendeiras).

É inconcebível pensar em educação de qualidade com desrespeito ao piso do magistério, descumprimento do plano de carreira e do direito ao 1/3 da hora-atividade dos professores, com o teto de nossas escolas desabando, paredes eletrocutadas, salas de aulas que mais se assemelham a cubículos e falta de banheiros específicos para uso de alunos, alunas e funcionários.

Não há como pensar em educação de qualidade quando nós temos escolas que possuem apenas um banheiro para ser utilizados por todos os nossos alunos, professores e demais funcionários.

Não há como pensar em educação de qualidade quando nós temos professores que não conseguem uma licença para se afastarem de suas atividades para fazer um mestrado ou um doutorado, ou, em outros casos, conseguem apenas mediante a renúncia de seus salários durante o período de afastamento, retornando depois a suas atividades para utilizar aquele mesmo conhecimento adquirido em sua pós-graduação em pró de seus alunos.

Na quinta-feira, 31 de março, a Comissão do Sindserv sentou com a secretária de educação para discutir toda essa realidade de crise pela qual passa a educação municipal. Construímos uma agenda que deve ser posta em prática em curto prazo, a começar no dia 08 de abril. Acreditamos que, se cumprida com zelo, poderemos sim avançar a partir dessa agenda.

No entanto, caso não haja disponibilidade e nem vontade por parte do gestor, o nosso indicativo de greve poderá se transformar, em um breve espaço de tempo, em uma greve pela valorização do magistério e por uma educação pública de qualidade. Para isso, pedimos o apoio de nossos alunos, de seus pais e de todos os seguimentos da sociedade que desejam mais qualidade para educação e que compreendem a importância dessa luta.

Por professor Thiago Costa - presidente do SindServ. Caicó.

Nenhum comentário:

Postar um comentário