quinta-feira, 17 de março de 2016

ROBERTO AMARAL: É AGORA OU NUNCA

O Sr. Sérgio Moro vomitou todos os escrúpulos e assumiu - sem disfarces -  o papel de chefe de facção. Trafica o direito e serve ao ódio, à intolerância e ao golpismo. Não é digno da toga. A pergunta é esta: até quando permanecerá impune, lépido e fagueiro valendo-se da força do cargo para cometer atrocidades jurídicas?

É inaceitável que esse juiz de primeira instância de uma vara federal da cidade de Curitiba se sinta em condições (de força política e certeza de que não é alcançável pela lei) de grampear o telefone da presidente a República e de um ex-presidente e, em momento crucial da vida republicana, entregar esse áudio, obtido de forma irregular, à difusão pelo sistema Globo, o outro lado da trama golpista. O STF se associará a essa operação se não contiver as arbitrariedades do juiz curitibano.

Aliás, não há, apenas, uma trama golpista. Há um golpe em marcha (alguém ainda duvida?), conduzido ideologicamente pelos meios de comunicação liderados pelo sistema Globo, e operado por setores do ministério público federal e paulista, por setores do Poder Judiciário, pela polícia federal, e por setores proto-fascistas da direita parlamentar.

Mas basta de constatações. Está na hora de agir, ou, jamais estaremos à altura de nossos compromissos democráticos e socialistas. É agora ou nunca.

A direita falou e tem falado e tem agido. E as esquerdas? E os socialistas? E os comunistas? E os democratas? Quando vamos ocupar a Praça dos Três Poderes e nos instalarmos em frente ao Palácio do Planalto, festejar e fortalecer a posse de Lula, para que ele faça o que precisa ser feito? Precisamos ir para as ruas hoje e fazer de amanhã, dia 18, um dia inesquecível de ação das massas populares.

*Roberto Amaral foi ministro e fundador do PSB e é uma das lideranças da Frente Brasil Popular

Nenhum comentário:

Postar um comentário