terça-feira, 4 de agosto de 2015

JUSTIÇA, ÓDIO E INTOLERÂNCIA



A justiça tem que ser feita com justiça. Justiça que precisa ignorar as garantias fundamentais constitucionais – provas obtidas licitamente, direito de defesa e presunção de inocência, sem espetaculosidade nas prisões e conduções coercitivas e, principalmente, sem mancomunamento com a mídia absolutamente partidarizada – não é Justiça, mas luta política partidarizada e manipulada.

Por Walter Sorrentino*, em seu blog

Do modo como estão procedendo a Justiça Federal, o Ministério Público e a Polícia Federal, o país vive uma agonia à beira da quebra da institucionalidade. Promove-se o ódio à política que leva à antidemocracia, e ameaça levar à lona o sistema político partidário brasileiro.

Sem Política vige a antidemocracia

Imaginar que com as normas democráticas de direito, sem exceção, não se combate o crime da corrupção é atestar contra a própria Constituição e as demais instituições além do Judiciário.

É na Política que o país precisa encontrar seus caminhos para fortalecer a democracia e as instituições, a inclusão de todos os brasileiros à cidadania, o seu desenvolvimento autônomo e soberano, com base na valorização do trabalho.

Os fenômenos atuais, vistos em escala histórica, representam a encruzilhada com que defronta o Brasil de tempos em tempos, visando a superar os condicionamentos para alcançar novos patamares civilizatórios.

Que fique registrado que, no tempo em que se amplia a democracia brasileira com a inclusão à cidadania de dezenas de milhões de brasileiros abaixo da linha da pobreza, se intensifica a produção de ódio e intolerância nas relações sociais e políticas.

Depois reclamam quando se diz que as elites brasileiras não gostam do seu povo, não se identificam com ele. Herança escravocrata que se perpetua na mídia plutocrática e nas escorchantes desigualdades sociais e regionais, no sentimento antinacional e antipopular que grassa entre camadas sociais que sustentam o velho reacionarismo antinacional e antipopular.

Aliás, nada é mais explícito que, nessa mesma hora, atenta-se contra a Petrobras, a engenharia nacional, o pré-sal, a energia nuclear… A velha luta de classes para fazer do Brasil uma nação que se dê ao respeito de seu povo e do mundo.

*Membro do Comitê Central desde 1988, e desde 2002 secretário Nacional de Organização. Eleito vice-presidente do PCdoB na 10ª Conferência Nacional do Partido em maio de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário