terça-feira, 21 de julho de 2015

EUA REABREM EMBAIXADA EM CUBA



Relações com os EUA "sem abrir mão da nossa independência”

Cuba reiterou, nesta segunda-feira (20), sua vontade e sólida decisão política de avançar para uma convivência civilizada que favoreça a solução dos problemas bilaterais com os Estados Unidos. O chanceler cubano, Bruno Rodríguez, disse, no entanto que isso será feito "sem abrir mão da nossa independência, nem permitir ingerência em assuntos que pertencem à exclusiva soberania dos cubanos".

O chanceler Bruno Rodríguez, em um discurso durante o ato protocolar de reabertura da embaixada de seu país nos EUA, disse que era portador de saudações do presidente Raúl Castro, expressão de boa vontade e da sólida decisão política de avançar.

Este processo será "mediante o diálogo baseado no respeito mútuo e na igualdade soberana, ainda dentro das diferenças entre ambos governos, que favoreça a solução dos problemas bilaterais, promova a cooperação e o desenvolvimento de vínculos mutuamente vantajosos" para ambos povos.

A bandeira que flameja novamente neste local encarna o generoso sangue derramado, o sacrifício e a luta mais que centenária de nosso povo pela independência nacional e plena autodeterminação, frente aos mais graves desafios e perigos, sublinhou.

O chefe da diplomacia da ilha invocou a memória de José Martí, o apóstolo cubano, que, disse, deixou-nos uma nítida descrição da grande nação do norte e o elogio do melhor dela, mas também nos legou a advertência de sua desmedida apetência de dominação que toda uma história de desencontros confirmou.

Destacou "a condução firme e sábia do líder histórico da Revolução Cubana, Fidel Castro Ruz, a cujas ideias sempre guardaremos lealdade suprema".

Este ato foi possível, sublinhou, pela livre e inquebrantável vontade, unidade, sacrifício, abnegação, heroica resistência e pelo trabalho de nosso povo, e pela força da Nação e da cultura cubanas.

Indicou que, ainda dentro das diferenças entre ambos governos, há vontade para favorecer a solução dos problemas bilaterais, promover a cooperação e o desenvolvimento de vínculos mutuamente vantajosos como desejam e merecem ambos os povos.

Reiterou que “só a eliminação do bloqueio econômico, comercial e financeiro que tanto dano e privações ocasiona a seu povo, a devolução do território ocupado em Guantánamo e o respeito à soberania de Cuba darão sentido ao fato histórico que estamos vivendo”.

Além disso, ratificou a vontade de Cuba de avançar para a normalização das relações com os Estados Unidos, com ânimo construtivo, mas "sem abrir mão da nossa independência, nem permitir ingerência em assuntos que pertencem à exclusiva soberania dos cubanos".

O chanceler de Cuba transmitiu o respeito e reconhecimento do governo cubano ao Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, por seu chamado ao Congresso a levantar o bloqueio e pela mudança de política que tem buscado, em particular pela disposição de exercer suas faculdades executivas com esse propósito.

Fonte: Prensa Latina

Nenhum comentário:

Postar um comentário