sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

A ALIMENTAÇÃO

O tratamento da alergia alimentar se baseia apenas na exclusão dos alimentos que provocam as reações alérgicas e, em alguns casos, há o tratamento em forma de indução de tolerância oral.

Como muitas receitas que costumamos fazer no dia a dia levam leite ou trigo em sua composição, as mães têm que adaptar todas as refeições, desde os lanches diários da escolinha até os salgadinhos para os filhos levarem para as festas. “No lugar do ovo colocamos o gel de linhaça ou de chia, que é gerado após a mistura de semente de linhaça ou chia com água por quatro horas. Esse gel pode ser usado em bolos, substituindo a clara alergênica. O leite pode ser trocado por leite de arroz ou de aveia. Já o trigo pode ser trocado por farinhas sem glúten. Os demais alergênicos devem ser evitados”, explica a nutricionista Sonja. Para os bebês, fórmulas especiais são as mais recomendadas. “A mãe tem que fazer dieta se estiver amamentando. O bebê que já pega a mamadeira vai mamar as fórmulas hidrolisadas (em que as proteínas do leite são quebradas em pedacinhos pequenos pela força da água) ou fórmulas à base de aminoácidos”, explica o dr. José Luiz, alergista e pai de Laura e Francisco.

Quando a criança é pequena fica mais fácil para as mães controlarem a alimentação, pois a criança não conhece nenhuma comida além da que come. Mas quando ficam maiores as vontades vão aumentando. “O Giovane só come o que eu mando. Agora que está crescendo ele fica mais curioso, mas não chega a pedir. Quando tem festinha de coleguinha eu ligo para a mãe e pergunto o que vai ter para poder adaptar o cardápio pra ele”, conta Rubiane.

ATENÇÃO!!!

Se após a ingestão de algum alimento (mesmo dias depois) seu filho apresentar reações na pele
Urticária
Inchaço
Coceira
Eczema

No sistema digestivo
Diarreia
Dor abdominal
Vômitos

No aparelho respiratório
Tosse
Rouquidão
Chiado no peito

Fonte: R7

Nenhum comentário:

Postar um comentário