sábado, 27 de setembro de 2014

LIVRO "NOBRE DEPUTADO" REVELA COMO FUNCIONA O ESQUEMA DE DESVIO DE VERBAS PÚBLICAS NA POLITICA BRASILEIRA

Lançamento de livro causa muita polêmica e irrita deputados federais

Um livro esclarecedor da realidade da vida política de um deputado federal com atuação no Congresso Nacional em Brasília. É assim que pode ser definido “O Nobre Deputado – Relato chocante (e verdadeiro) de como nasce, cresce e se perpetua um corrupto na política brasileira”, do juiz Marlon Reis, lançado nesta sexta-feira em Natal.

Num texto fácil, direto, esclarecedor – e estarrecedor -, o autor lança luz sobre as falhas do sistema político brasileiro, sobretudo as brechas por onde escorrem verbas públicas que deveriam servir exclusivamente para o bem comum, mas que, na prática, terminam alimentando o caixa de campanhas eleitorais e fornecendo comissões a uma cadeia de políticos – geralmente prefeitos e governadores.

O livro também aborda os esquemas de compra de apoio político de lideranças, como são identificados e aliciados os cabos eleitorais, e explica o porquê do custo absurdo das eleições brasileiras. “O resultado de qualquer eleição brasileira já está definido muito antes do encerramento da votação. A vontade do eleitor individual não vale nada no processo. O que conta é a quantidade de dinheiro arrecadado para a campanha vencedora, que usa a verba num infalível esquema de compra de votos. Arrecadou mais, pagou mais. Pagou mais, levou. Simples assim. Claro que a arrecadação se dá por expedientes muito distantes da legalidade e de qualquer noção de lisura”, escreve o magistrado, já na introdução da obra.

Segundo Marlon Reis, que escreveu “Nobre Deputado” após realizar uma série de entrevistas com políticos e participantes do esquema que utiliza emendas parlamentares inseridas no Orçamento Geral da União para abastecer caixas de campanha, “as entrevistas desvendam o comprometimento do Congresso Nacional e das Assembleias Legislativas com uma gigantesca máquina que vicia todo o processo eleitoral do Brasil de forma assustadoramente eficiente”.

O livro é dividido em duas partes. A primeira intitula-se “De onde vem o dinheiro”. Nela, o autor desvenda o político brasileiro, fala sobre o assalto ao orçamento, destrincha como os convênios são usados para desviar dinheiro público, aborda as licitações viciadas, os assuntos privados e agiotagem na política. Na segunda parte, o foco é “Como converter dinheiro em votos”, onde explica que “todo mundo tem seu preço”, a importância do cabo eleitoral, que é quem decide a eleição, quem realmente tem poder nessa relação (quem pede e quem manda e quem ameaça), além de como se dá a compra de voto e também o mito do voto secreto.

De acordo com o autor, os deputados atuam em Brasília para inserir emendas no OGU. Paralelamente, atuam junto a prefeitos e presidentes de entidades que irão receber os recursos destinados às obras. Todos são cientes de que parte dos recursos será destinada às obras. Outra parte, geralmente 20%, vai para o deputado. É uma forma de remunerar o parlamentar pelo trabalho. Afinal, encartar uma emenda não é fácil, dá trabalho, e depois tem que lutar pela liberação do recurso. E mais: o deputado precisa do dinheiro para se reeleger. Como ele vai continuar destinando emendas para prefeituras e associações se não conseguir se reeleger? Então, todos entendem e participam do esquema. É assim que acontece.

Nenhum comentário:

Postar um comentário