terça-feira, 23 de setembro de 2014

JOVENS DE DIREITA E A NOVA POLÍTICA DE SEMPRE

Redução da maioridade penal, privatização das universidades públicas, kit para ensinar meninos a serem “machos” e até defesa do regime militar: conheça quem são e o que pensam os jovens candidatos da direita brasileira

A maioria deles nasceu nos anos 1980, período marcante no processo de redemocratização do país. Foi nessa década que eclodiu o movimento Diretas Já, em que diversos setores da sociedade – como lideranças sindicais, artistas, jornalistas e estudantes – se uniram para pedir eleições diretas para presidente. Foi também nessa fase o fim do conturbado regime militar, que, sob o pretexto de combater o comunismo, traçou várias das mais sangrentas páginas da história brasileira, com atos de censura, repressão e mortes.

A partir daí abriu-se espaço para um outro momento, com a aprovação de uma nova Constituição Federal para, no fim da década, ser a vez de o povo finalmente ir às urnas para eleger seu maior representante – e ter forças para tirá-lo três anos depois, devido a denúncias de corrupção. Não há dúvidas de que os anos 1980 foram tumultuados e igualmente importantes para o que se entende hoje da política brasileira.

E é natural pensar que essa geração, nascida em meio a tantas conquistas democráticas, tenha crescido com uma visão mais progressista e libertária, uma vez que herdou as benesses vindas da luta de gerações anteriores e só precisava mantê-las. Porém, na prática, a realidade não é bem essa. Muitos rostos jovens aparecem, cada vez mais, na defesa de valores que deixariam os militares de outrora bastante orgulhosos.

Pena de morte, redução da maioridade penal, endurecimento de táticas para conseguir confissões de suspeitos e até a volta dos anos de chumbo. Essas são algumas das bandeiras levantadas por uma ala que, segundo especialistas, está perdendo a vergonha de marcar posição e assumir seus ideais conservadores. A nova direita no país é formada por lideranças determinadas a romper com o que consideram uma afronta aos “valores da família tradicional” e supostos retrocessos econômicos e sociais implantados pelo governo nos últimos anos.

Trazendo para o atual cenário – em momento de plenas campanhas eleitorais –, o cientista político Cláudio Couto, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), afirma que a chegada do Partido dos Trabalhadores (PT) ao governo federal acirrou a polarização ideológica no Brasil. Aqueles que contrariam as medidas populares assumidas por essa gestão passaram a bater de frente com as propostas de redução das disparidades econômicas e das distinções por gênero, orientação sexual, etnia ou modo de vida.

Ele afirma que o sentimento de “antiesquerdismo” uniu grupos liderados pelo PSDB que pudessem contrapor, de maneira mais enfática, o modo de gestão adotado atualmente. “Chama a atenção, particularmente, o conservadorismo de uma certa juventude tucana, sobretudo quando comparado à posição dos tucanos mais velhos, fundadores do partido, bem menos conservadores. Virou o partido do que em minha juventude chamávamos de ‘mauricinhos’, hoje chamados de ‘coxinhas’”, ressalta.

Para Couto, o rechaço aos programas sociais vigentes traduz o incômodo que eles podem gerar nas camadas mais conservadoras da população e cita como exemplo o programa Bolsa Família, apelidado por parte da oposição de “Bolsa Esmola”. “Os direitistas tendem a rejeitar as políticas públicas que efetivam a igualdade. Assim, podem dizer que não são contra o valor da igualdade, mas rejeitam qualquer meio prático que possibilite buscá-la. E, claro, sempre usam para essa desqualificação o argumento da meritocracia, como se houvesse uma competição equitativa entre os que partem de condições muito desiguais”, explica.

A juventude direitista, então, assumiu o discurso moralizante de seus antepassados e tratou de levá-lo adiante, com todo o afinco. Para o professor de Ciência Política do Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP), da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), João Feres Júnior, é compreensível que isso aconteça. Ele lembra que, com as grandes manifestações de junho de 2013, houve um discurso apolítico bastante expressivo dentro de uma multidão heterogênea e desorganizada. “Mas, ao mesmo tempo, quando se olha para o lado das eleições, a tendência dos apolíticos é defender os candidatos de direita. Eles pedem mudanças, mas acabam votando nos mesmos, ou até em outros piores”, ressalta.

O especialista destaca que o Brasil viveu, até hoje, um período de transição democrática. Porém, o discurso de direita vinha sendo mantido com o apoio da mídia, que, segundo ele, defende a opinião de apenas um lado: o do liberalismo econômico e de outros ideais conservadores na sociedade. Feres vê a reafirmação desses grupos como parte natural do amadurecimento da democracia no país. No entanto, faz um alerta: “A direita tem sido golpista no Brasil. Espero que não aconteça mais e eles se mantenham dentro do debate, mas acho que ocorreria de novo, se tivessem a oportunidade”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário