terça-feira, 15 de abril de 2014

SERVIDORES VÃO PARALISAR SERVIÇOS EM NATAL A PARTIR DESTA 3ª FEIRA


Saúde, Educação e demais categorias do Município seguem com atividades paralisadas


Três sindicatos – Sindicato dos Servidores Municipais de Natal (Sinsenat), Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte-RN) e Sindicato dos Servidores em Saúde do RN (Sindsaude-RN) – se reuniram em um ato unificado na manhã desta terça-feira (15) em frente à Prefeitura de Natal contra a administração municipal.

Os servidores da saúde entraram em greve a partir de hoje e se juntaram aos servidores da Educação e das demais categorias do município que já estavam com as atividades paralisadas. No final da manhã, o prefeito Carlos Eduardo se reuniu com a liderança dos sindicatos para negociar o fim da paralisação. Em função do protesto, o trânsito em frente ao Palácio Felipe Camarão ficou interditado durante boa parte da manhã.

Após a reunião, a coordenadora geral do Sindsaúde, Simone Dutra, disse que não houve avanço nas negociações com o prefeito Carlos Eduardo, pois o prefeito se mostrou irredutível em relação ao reajuste salarial, alegando a Lei de Responsabilidade Fiscal (limite prudencial) como empecilho para conceder o aumento para a categoria. “Não temos acordo com isso. Como não houve definição, a nossa greve continua. Amanhã estaremos fazendo mobilização nas unidades de saúde”, afirmou a sindicalista. Na próxima terça-feira, dia 22, representantes do Sindicato se reunirão com a secretária de Planejamento do município, Virginia Ferreira, quando ficou acordado que o Município apresentará uma contraproposta.

A greve dos servidores municipais de saúde acontece em todas as unidades básicas, as equipes da Estratégia Saúde da Família e de atendimento 24 horas, como a Maternidade das Quintas, as Unidades Mistas de Saúde de Cidade Satélite, Mãe Luiza e de Cidade da Esperança, o Hospital dos Pescadores, o Pronto Socorro Infantil Sandra Celeste e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). A greve é uma resposta a decisão da Prefeitura de Natal, que propôs um reajuste de 2% nos salários dos servidores neste ano, enquanto as perdas chegam a 14,07%. A categoria reivindica 18,34% de reajuste no salário-base e reajuste nas gratificações, que estão congeladas.

Com a adesão dos servidores da saúde, Natal terá uma greve geral nos serviços públicos a partir desta terça, pois os professores, servidores municipais e agentes de saúde já encontram-se em greve. “Os servidores não estão dispostos a aceitar pagar a conta pelos milhões que são gastos na Copa e com o reajuste dos cargos comissionados”, afirma Célia Dantas, do Sindsaúde.

Portal JH

Nenhum comentário:

Postar um comentário