quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

VIVENDO NO MUNDO DAS APARÊNCIAS


Cada vez mais pessoas - de todas as idades, famosas ou não - se esforçam para parecer o que não são. Viver de fachada é  uma sensação entre os que acreditam que, para ser feliz, precisam seguir padrões ditados pelas propagandas, revistas, jornais, internet ou filmes. Vale tudo para garantir uma fachada intacta.

Preocupar-se com a beleza e com a saúde é natural. Mas será que vale a pena tanto sacrifício para ficar igual a um modelo que não condiz com a realidade?

No Brasil é comum vermos manchetes que destacam a dieta milagrosa de uma atriz ou os exercícios físicos extenuantes de uma celebridade que quer estar em forma no Carnaval.

Esse tipo de mensagem transmitida por alguns veículos de comunicação ajuda a perpetuar a ideia de que as pessoas, para serem bem-sucedidas, precisam de corpos irreais. A mensagem ainda é reforçada pelo uso de programas de computador que modificam fotos e vídeos, dando a aparência de plástico para a pele de celebridades e fazendo com que elas apareçam nas imagens sem gordurinhas em parte alguma do corpo.

Para tentar diminuir a influência dos padrões midiáticos na vida dos cidadãos britânicos, a secretária de Estado para a Igualdade do Reino Unido decidiu agir. No fim do ano passado, Jo Swinson, enviou uma carta aberta às revistas de comportamento britânicas pedindo para que elas não promovessem essas dietas milagrosas nas edições após o Natal, por considerar que "representam um risco para a saúde". A secretária de Governo incentivou as revistas a "celebrar a beleza da diversidade dos corpos, a cor da pele, o tamanho e a idade". Ela reforçou sua opinião, durante uma entrevista à BBC de Londres, em que disse ser contrária "a qualquer dieta que encoraje a perder peso em velocidade milagrosa, pouco saudável, ou a cortar grupos de alimentos (carboidratos, proteínas ou gorduras) ou pular refeições".

Noivas em desespero

Um estudo feito pela Universidade Cornell, nos Estados Unidos, mostrou que 70% das noivas querem perder em média 9 quilos antes do grande dia. Aproveitando-se do desespero dessas mulheres para se sentirem "perfeitas", muitos médicos e clínicas de estética oferecem soluções de emergência para que elas se transformem em uma "princesa". O problema é que a maioria desses planos ignora os perigos envolvidos.

Nos Estados Unidos, um médico resolveu criar um programa de perda de peso que consiste em usar uma sonda. A candidata ao emagrecimento rápido recebe um tubo de alimentação introduzido pelo nariz, como o usado por pacientes em hospitais, e passa a receber uma mistura de proteínas com 800 calorias por dia. A dieta da sonda dura de 10 dias e, durante esse período, nenhum outro alimento pode ser ingerido, apenas o líquido introduzido pelo tubo. Além do incômodo de carregar a bolsa da sonda e o tubo no nariz 24 horas por dia, essa dieta estranha ainda tem efeitos colaterais, como náuseas, tontura, prisão de ventre e até mau hálito. E o pior: a noiva pode ganhar todos os quilos perdidos antes do fim da lua de mel.

Fonte: Folha Universal

Nenhum comentário:

Postar um comentário