quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

DO QUE SEREMOS CAPAZES EM 2016?


Até onde vai nossa capacidade?

Por que somos capazes de algumas coisas, mas outras nos parecem impossíveis?

Qual o nosso critério de escolha para ser ou não capaz de algo?

O que mais me chama a atenção é que na maioria das vezes, o fato de possuir uma capacidade, nos torna incapaz de outra que está absolutamente atrelada à primeira...

Coisa difícil de entender, mais complicado ainda é conviver com essas discrepâncias...

Nós somos capazes de perdoar, mas na hora da discórdia, fazemos questão de relembrar o outro de seus erros cometidos, só para não esquecer...

Nós somos capazes de desbravar novos mundos, investir milhões em descobertas fascinantes, mas na hora de olhar para o nosso planeta, não conseguimos enxergar o quanto o estamos destruindo.

Nós somos capazes de amar, mas na hora dos primeiros confrontos, achamos por bem "acabar", ou melhor, interromper...

Nós somos capazes de aprender novas teorias, desvendar mistérios, mas na hora de colocar em prática o que é básico para a sobrevivência, parece que o branco nos invade e a imobilização toma conta.

Nós somos capazes de defender uma verdade, mas na hora que precisamos colocá-la em prática, escolhemos a mentira para nos esconder da responsabilidade.

Nós somos capazes de julgar o próximo com rigor, mas na hora que necessitamos olhar no espelho e encarar nossos erros, preferimos conservar as máscaras.

Nós somos capazes de criar, de fomentar idéias inusitadas, mas na hora de realizar o que precisa ser feito sem procrastinação, adiamos mais uma vez.

Nós somos capazes de conseguir o que realmente desejamos, mas na hora de escolher entre o desejo e a precisão, optamos pelo que não nos implique em pagar o preço.

Nós somos capazes de compreender os sentimentos, mas na hora que alguém nos procura em busca de uma escuta, trocamos os ouvidos pela boca que fala sem calar sobre o que "nós" pensamos, o que "nós" sentimos.

Nós somos capazes de progredir a cada dia, mas na hora em que podemos aplaudir o sucesso do próximo, tratamos de argumentar afirmando que a sorte é a verdadeira companheira desse vencedor.

Nós somos capazes de conservar uma relação, regando-a todos os dias de cuidado e amor, mas na hora que a dúvida surge, preferimos prender, sufocar, desconfiar e banalizar a dimensão dos sentimentos que a sustentam.

Nós somos capazes de ser feliz, mas na hora que um empecilho aparece como prova, recolhemos nossas forças internas e resolvemos culpar o mundo pela nossa tristeza.

Nós somos capazes de discernir entre o certo e o errado, mas na hora de seguir o caminho do bem, elegemos os atalhos que nos atraem mais pela aparente facilidade em chegar.

Nós capazes de sonhar, mas na hora de encarar a realidade, preferimos dormir ainda que a noite seja repleta de pesadelos.

Nós somos capazes de muitas coisas... 

Texto de  Cristina Hanh - Psicóloga

Um comentário:

  1. Excelente blog, que espoe informações e direitos humanos e sociais com excelência.
    wwwsabereducar.blogspot.com

    ResponderExcluir