sexta-feira, 4 de março de 2016

CONSUMISMO NA INFÂNCIA

Bombardeio de propaganda na TV incentiva as crianças ao consumo desenfreado. Entidades e pais, que já sofrem para educar os filhos e impor limites, exigem regras específicas
Pesquisa da Interscience, diz que as crianças influenciam em 80% das compras da casa. “O mercado não tem freios, faz de tudo para influenciar crianças para que consumam cada vez mais”, critica Isabella, citando que até os 12 anos não se compreende plenamente as complexas relações de consumo. “Quando menores, chegam a confundir publicidade com entretenimento e, mesmo quando atingem determinada idade, capaz de fazer a distinção, não entendem a função venal da campanha. Isso já está comprovado por diversos estudos científicos”, protesta.
O Coletivo Infância Livre de Consumismo, grupo de pais, mães e cidadãos inconformados com a publicidade dirigida às crianças, atenta para outra questão. “A criança passa a achar que só é alguém de valor quando tem a posse de algo a que ela e o grupo (colegas, apresentadores de TV, familiares) atribuem valor, como um celular da moda, o tênis de um jogador famoso, a maquiagem de uma celebridade. Crescem confundindo ter e ser”, diz o Infância Livre de Consumismo.
Preocupados com uma educação de consumo consciente, o Instituto Alana e o Coletivo Infância Livre de Consumismo, entre outras organizações, defendem a regulação da publicidade infantil. “Como pais e mães, sentimos nossos valores competirem de forma injusta com o discurso sedutor da publicidade”, assinala o Coletivo.
Fonte: Folha Universal

Nenhum comentário:

Postar um comentário