quarta-feira, 31 de agosto de 2016

QUANTO CUSTA UMA VITÓRIA?

Por Professor Antônio Neves
Esta pergunta talvez não tenha a resposta que imaginamos ter. Ela não se completa com o vazio da dúvida nem com a inércia dos desencorajados. Lutar é para os fortes, para os que acreditam que nada muda se os poderosos não forem confrontados.
Vivemos em um mundo onde o individualismo aponta caminhos para conquistas ilusórias, onde a luta coletiva perde espaço para soluções milagrosas do “deus” mercado, que impõe sua lógica do cada um por si, sobreposta aos sentimentos mútuos da solidariedade para a construção de um sujeito social livre e consciente. Para os céticos sem paixão é sempre bom afirmar: outro mundo é possível.
As adversidades do dia-a-dia nos dizem que, “a hora não é para lamentações, mas sim, para resistir”... Resistir aos prepotentes que pensam serem donos das consciências que se afirmam entre o sim e o não. Resistir aos que se pensam incapazes e com seu pessimismo desorientam os rumos da luta dos que acreditam e insistem em seguir em frente. É hora de ousar; de segurar firme, mão na mão, para derrubar as barreiras que aprisionam nossos sonhos.

É hora de questionar os nãos, as receitas prontas, o vazio dos discursos cheios de ilusões e imediatismos. É preciso dizer basta a mentira, aos falsos heróis, as falsas promessas, aos sonhos violentados pelo apelo ao comodismo... Longa vida a cidadania, aos homens e mulheres de boa vontade, pois de nossas causas mais justas prevalecerá à verdadeira transformação construindo uma sociedade de iguais. E o que é a verdade senão tudo o que transborda aos nossos olhos, reluzente como a luz da manhã que determina que a hora de lutar se faz mais forte e que não podemos parar intimidados pelas sombras do medo, da alienação e da ignorância.
Conhecer a si mesmo, eis o princípio fundamental para acreditares no que sois capaz. Se um homem ou uma mulher se veem diante de uma injustiça cometida contra si e nada fazem, o que esperar então de seus inimigos? Diante do ódio só o amor prevalecerá, mas o amor como fórmula precisa de coragem e determinação. O amor é a lei, mas amor sobre vontade. É preciso amar e ter fé, até que a mais alta montanha se torne transponível.
Existem algumas formas de poder em que seus detentores se imaginam como se pudessem, ao toque do seu desejo, apagar a luz do Sol, ofuscar as estrelas com a força do dedo ou impedir o florescer de cada manhã, que insiste em nascer renovada de esperanças. É hora de lutar, como lutamos tantas vezes, como vencemos tantas vezes, dizendo não ao que parece impossível. Jamais aceitaremos a condição de formigas esmagadas pelo vento, porque somos Águias. Somos muito mais que sonhos.
Somos cidadãos, muitas vezes rejeitados nos nossos direitos. As grandes mudanças não esperam tempestades, elas se constroem nos pequenos redemoinhos. Para conhecermos a beleza das borboletas é preciso primeiro perder o medo das lagartas. 

Vencer é o limite!

Um comentário:

  1. Sou admiradora dessa inteligência, e dessa sesatez, me delicio nas palavras sábias ditas sem emoção, usando a voz da razão. Sou fã dessa sua sabedoria, sabedoria capaz de provocar o um leão com muito carinho sem este saber que está sendo dominado.

    ResponderExcluir