quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

FILOSOFIA DO CINISMO

Cristina Hahn – psicóloga e sexóloga clínica
Essa é a doutrina praticada hoje em dia: Indivíduos que vivem sem escrúpulos, hipócritas, sarcásticos e oportunistas. São partidários do cinismo porque ostentam princípios praticando atos imorais. Esse sistema tem arrastado legiões dos mais fracos que ainda não sabem que pisando no próximo, a subida é mais rápida, porém com queda mais íngreme. Estamos vivendo o caos da moralidade, a ruína da dignidade e, para o desespero dos mais persistentes, a visão parece turva diante de uma saída para quem deseja seguir a direção do bem.
Estamos sendo ridicularizados diariamente com essa política que faz a arte de bem governar os povos, uma coleção de obras dramáticas onde as vítimas e os vilões se confundem pela dificuldade de identificar que somos eternamente responsáveis pelo voto que damos. Sabemos que a palavra, apesar de ser um dos melhores instrumentos da comunicação, se perde já que o exemplo sempre foi e sempre será o mais forte... De que valem belas palavras se as bocas que pronunciam os discursos, fazem parte de um rosto desfigurado pela ganância de poder?
Apesar de não mais me surpreender com os escândalos diários, ainda me sensibilizo pelo desprezo aos princípios primordiais do ser humano. Ainda fico indignada quando vejo uma ação vergonhosa, leviana, indecente. Mas, ainda que eu sofra, não posso perder isso! Preciso me indignar! Preciso continuar não aceitando essas imoralidades públicas... Já pensou se me deixo levar por essa onda de conformidade, essa passividade alienante que muitos de nós nos encontramos? Não posso dormir, preciso me manter acordada, em vigília para que pelo menos em minha casa, no meu lar, a ética prevaleça na conduta dos meus... Preciso continuar acreditando que o que nos sustenta é a consciência tranqüila de que estamos sobrevivendo a toda essa decomposição do "ser humano", a essa putrefação dos conceitos do bem...
Quero de volta a crença na filosofia da identidade, na filosofia das luzes, na filosofia da natureza, na filosofia da existência, pela verdadeira filosofia da vida... Odeio saber que o maior aprendizado, ainda que por osmose, tenha sido o da filosofia do cinismo, onde não importa o que se faça, é preciso seguir em frente, sem tato, sem sutileza, sem pena, nem dó. O degrau do sucesso pode ser o próximo quando o próximo passo é vencer...
Cínico é todo aquele que se vê distante do que está acontecendo bem perto de nós e ainda se acha no direito de dizer que não vale à pena remar contra a maré se ela nos empurra para o fundo. Cínico é aquele que permite o errado porque não consegue fugir à regra de "unidos erraremos juntos". Cínico é todo aquele que vê, sabe, participa, mas é o primeiro que levanta a voz firme dizendo: "não tenho nada com isso!". Cínico é aquele que prefere não fazer comentários, mas é absolutamente eficiente quando o trabalho é julgar o próximo que tenta furar esse esquema... Cínicos somos nós que enxergamos essas verdades, mas escolhemos permanecer na mentira mesmo quando esse vazio obscuro nos tirão sentido de viver...

Nenhum comentário:

Postar um comentário